Os Tripes do Brasil
Identificação, Informações, Novidades

Scirtothrips aurantii

Scirtothrips aurantii Faure, 1929: 3.

Referência original: Faure JC (1929) The South African citrus thrips and five other new species of Scirtothrips Shull. Transvaal University College Bulletin (Pretoria) 18: 1–18.

 

Família

Thripidae, Thripinae

 

Informações sobre nomenclatura

http://thrips.info/wiki/Scirtothrips_aurantii

 

Diagnose

Corpo amarelo, tergitos e esternitos com uma marca castanha medialmente e cristas antecostais castanho-escuras; antenômero I branco, II & III cinzas, V–VIII castanhos; cerdas maiores do corpo escuras; asas anteriores claras com clavus escurecido. Antenas com 8 segmentos, III & IV com um pescoço apical constrito, cones sensoriais bifurcados e robustos. Cabeça mais larga que longa, regiões pós-ocular e ocelar com estriação fina; par de cerdas ocelares III localizado dentro do triângulo ocelar ou próximo à linha da margem anterior dos ocelos posteriores. Pronoto com estriação fina, par de cerdas posteromarginais S2 claramente mais longo que o par S1. Esculturação do metanoto transversal na área anterior, e longitudinalmente reticulado posteriormente; cerdas medianas situadas na margem anterior; sensilas campaniformes ausentes. Segunda venação das asas anteriores com 2–5 cerdas; cílios da franja posteromarginal fracamente ondulados. Tergitos III–V com a distância entre as cerdas medianas menor que seu comprimento; II–VIII com os terços laterais cobertos por fileiras de microtríquias finas, próximas entre si; VIII com microtríquias discais presentes anteromedialmente, pente posteromarginal completo; tergito IX sem microtríquias discais. Esternitos cobertos com microtríquias exceto anteromedialmente no VII. Ambos os sexos macrópteros.

 

Machos similares às fêmeas, mas menores; ângulos posteriores do tergito IX com um par de processos curvos (drepanas) se estendendo ao longo do tergito X; fêmures posteriores com uma fileira de cerdas robustas parecida com um pente; esternitos sem placas porosas.

 

Variação intraespecífica

Sem registro.

 

Informações do gênero e espécies similares

Este gênero possui mais de 100 espécies, quase todas dos trópicos ou subtrópicos. A maioria dos membros possui corpo claro, pronoto transversalmente estriado e terços laterais dos tergitos abdominais cobertos com fileiras regulares de microtríquias diminutas. Algumas espécies de Scirtothrips possuem uma grande amplitude de variação, o que pode resultar em decisões taxonômicas equivocadas (Mound & Zur Strassen 2001). Scirtothrips aurantii é uma de apenas duas espécies no gênero cujos machos são conhecidos por possuírem uma fileira de cerdas robustas, semelhantes a um pente, nos fêmures posteriores.

 

Distribuição no mundo

Amplamente distribuído da África do Sul ao Sudão, e também nas ilhas de Cabo Verde; introduzida na Austrália.

 

Distribuição no Brasil*

Ainda não registrada para o Brasil, mas é provável que ocorra em áreas no Norte do país.

*Dados da literatura e dos autores.

 

História de vida

Se alimenta de folhas de uma grande variedade de espécies, causando danos em algumas.

 

Importância Econômica

Causa danos em folhas e frutos de citros e manga.

 

Referências sugeridas

Garms BJ, Mound LA & Schellhorn NA (2013) Polyphagy in the Australian population of South African citrus thrips (Scirtothrips aurantii Faure). Australian Journal of Entomology 52: 282–289.

Mound LA & Palmer JM (1981) Identification, distribution and host-plants of the pest species of Scirtothrips (Thysanoptera: Thripidae). Bulletin of Entomological Research 71: 467–479.

Mound LA & Stiller M (2011) Species of the genus Scirtothrips from Africa (Thysanoptera, Thripidae). Zootaxa 2786: 51–61.


Publicado em: 31/12/2016
Postado por: Adriano

Galeria de fotos:

Atendimento


Brasil, Rio Grande do Sul, Rio Grande

Campus Carreiros: Av. Itália km 8

Bairro Carreiros



(51) 9812-37076


cavalleri_adriano@yahoo.com.br

Curta nossa Fan Page

Thysanoptera © Todos Direitos Reservados 2022

Facebook Instagram Linkedin

Hostche - Criação de Sites